Ciclo de debates: O impacto da pandemia da Covid-19 na saúde pública em São Paulo
Quinta-feira 02 Dezembro 2021, 19:00 - 21:00
banner ciclo debates 6
 
 
6ª Mesa de Debate: Profissionais e trabalhadores de Saúde: imprescindíveis

O ano de 2021 foi declarado pela Organização Mundial da Saúde como o Ano Internacional dos Recursos Humanos em Saúde. Se antes da pandemia da COVID-19 o planejamento da força de trabalho em saúde já era uma questão central para muitos sistemas de saúde de acesso universal, a partir da pandemia as inequidades pré-existentes são agravadas pelos novos desafios que se sobrepõem, sem que os anteriores tenham sido equacionados.


No Brasil, o Conselho Nacional de Saúde recomenda, entre outras medidas: que seja garantida condição de trabalho digno, medidas de proteção individual e coletiva para os trabalhadores da saúde no enfrentamento à COVID-19, bem como a garantia de direitos, em especial para aqueles atualmente acometidos pela doença, em convalescença ou portadores de sequelas, sejam elas de qualquer natureza ou gravidade, independente do tipo de vínculo empregatício desses profissionais.

Esta Mesa de Debates tem como objetivo refletir, dar visibilidade e buscar consensos que possam orientar tomadores de decisão e políticas públicas aplicadas ao planejamento, valorização e educação permanente da força de trabalho em saúde, numa perspectiva global, nacional e tendo como estudo de caso a força de trabalho em saúde do SUS vinculada à Secretaria Municipal de São Paulo.

O Observatório de Políticas Públicas do TCMSP promove um ciclo de debates com autoridades públicas, gestores, pesquisadores e professores sobre o impacto da pandemia da COVID-19 em diferentes dimensões da Saúde Pública. As mesas-redondas trarão resultados de pesquisa, relatos de experiência e dados sobre as consequências da pandemia para a população de São Paulo e do mundo.  

 
 
Dia: 02/12
Horário: 19h às 21h
 

Abertura:
Ana Estela Haddad (NAP Escola da Metrópole – IEA/USP)

 

Palestrantes:

A Pandemia da COVID-19 pode ser considerada um ponto de inflexão para a força de trabalho em saúde?
Dra. Monica Padilla – OPAS/OMS

Pesquisa Condições de Trabalho dos Profissionais de Saúde no Contexto da COVID-19 no Brasil. Reio de Janeiro: Fiocruz, 2020/2021
Profa. Dra. Maria Helena Machado – Ensp/Fiocruz, NERHUS-DAPS e ObservaRH-ENSP


Perfil da Força de Trabalho do SUS no município de São Paulo: desafios antes e depois da pandemia da COVID-19
Dra. Patrícia Ferreira Pallota – COGEP/Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo


Mediação: Ana Estela Haddad e Alessandra Cristina Guedes Pellini
 

Currículo:

MONICA PADILLA
Médica equatoriana com Mestrado em Saúde Pública, investigação e Administração de Serviços de Saúde na Universidade Central de Equador. Especialista em Gestão de Políticas de Recursos Humanos em Saúde na Escola Nacional de Saúde Pública FIOCRUZ Brasil. Residência em Saúde Internacional em OPS WDC USA. Assessora internacional de OPS para o Desenvolvimento de Recursos Humanos em Saúde na OPS Oficina Central. Assessora para Região Andina, Região Centro-americana e atualmente Coordenadora da Unidade técnica de Capacidades Humanas para a Saúde e da Unidade Técnica de Sistemas e Serviços de Saúde na Organização Pan-americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde no Brasil

MARIA HELENA MACHADO
Socióloga, Pesquisadora titular da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca da Fundação Oswaldo Cruz. Foi Diretora do Departamento de Gestão do Trabalho e Regulação em Saúde-DEGERTS do Ministério da Saúde (2003-2010) Coordenadora do NERHUS- DAPS e do ObservaRH-ENSP, da Rede de Observatórios de RH- MS/OPAS

PATRÍCIA FERREIRA PALLOTA
Psicóloga, servidora efetiva da PMSP. Coordenadora de Gestão de Pessoas – COGEP/Secretaria Municipal de Saúde- SMS/SP. Especialista em Gestão de Serviços Públicos de Saúde pela EAESP/FGV. Especialista em Administração Hospitalar – IPH/SP. Especialista em Desenvolvimento de Recursos Humanos de Saúde – Faculdade de Saúde Pública/USP.
 

ANA ESTELA HADDAD
Graduada em Odontologia pela Universidade de São Paulo (1988), Mestre (1997), Doutora em Ciências Odontológicas (2001), Livre-Docente (2011) pela Universidade de São Paulo. Professora Associada do Departamento de Ortodontia e Odontopediatria da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (USP), Membro Permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciências Odontológicas da Fousp . Foi Assessora do Ministro da Educação (2003-2005), tendo sido uma das idealizadoras e participado da implementação do Programa Universidade para Todos (PROUNI). Nesse período, atuou também nos trabalhos relacionados à promulgação da Lei nº 10861/2004, que criou o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES) e a Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (CONAES). Ocupou no Ministério da Saúde o cargo de Diretora de Gestão da Educação na Saúde da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES), de 2005 a 2010, tendo participado da idealização e implementação do Pró-Saúde, Telessaúde Brasil, Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde (CNRMS), pela Política Nacional de Educação na Saúde , Programa de Educação pelo Trabalho em saúde - PET Saúde, REVALIDA. Em 2011 ocupou o cargo de Diretora de Programas e Secretária Substituta da SGTES. Foi membro representante suplente do Brasil no Comitê Assessor Internacional da BIREME/OPAS (2012), membro da Subcomissão de Revalidação de Diplomas Médicos (2007-2014). Foi membro da Comissão de Área de Avaliação da CAPES - Odontologia (Mestrados Profissionais) - 2013-2017. Foi Vice Presidente do Conselho Brasileiro de Telemedicina e Telessaúde - CBTms (gestão 2014-2015) e Diretora de Relações Institucionais da Associação Brasileira de Telemedicina e Telessaude (ABTms) - 2017-1019. Atualmente é membro do Comitê Assessor da Rede Universitária de Telemedicina (RUTE).. É membro do Grupo SAITE de Pesquisa do CNPq. Linhas de pesquisa: Educação Superior na Saúde, Educação Permanente na Saúde, Força de Trabalho em Saúde, Políticas públicas de educação e de saúde, Primeira Infância, Telessaúde, Teleodontologia, Educação mediada por tecnologias. É Coordenadora Adjunta do Núcleo de Apoio à Pesquisa em Políticas Públicas para a Metrópole (NAP Escola da Metrópole) e Coordenadora da Estação FOUSP-ABENO da Rede de Observatórios de Recursos Humanos em Saúde (Ministério da Saúde/OPAS). É uma das representantes do Brasil na Red de Lideres por la Primera Infancia (Rede Latino Americana, integrada por líderes de 28 países), convidada pela ex-Presidente do Chile Michelle Bachelet

ALESSANDRA CRISTINA GUEDES PELLINI
Graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Santos (2000). Residência Médica em Doenças Infecciosas e Parasitárias pelo Instituto de Infectologia Emílio Ribas (2004). Mestrado em saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública da USP (2006) e Doutorado em Ciências (com ênfase em Saúde Pública e Epidemiologia) na mesma Faculdade (2016). Atuação como Médica Epidemiologista na Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo (Centro de Vigilância Epidemiológica "Prof. Alexandre Vranjac") de 2006 a 2019, e na Coordenação de Vigilância em Saúde (COVISA) da Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo (SMS-SP) entre 2008 e 2020. Atualmente, Médica da Coordenação de Epidemiologia e Informação (CEInfo) da SMS-SP e Professora Permanente de Ensino Superior do Curso de Graduação em Medicina da Universidade Nove de Julho (UNINOVE) - disciplinas de Saúde Coletiva e Atenção Primária à Saúde, e do Programa de Pós Graduação em Cidades Inteligentes e Sustentáveis da UNINOVE. Experiência em Vigilância em Saúde, Saúde Coletiva, Medicina Preventiva, Epidemiologia, Análise de Dados Epidemiológicos, Geoprocessamento e Análise Espacial, Moléstias Infecciosas e Parasitárias, Educação em Saúde. Medicina Preventiva e Gestão Empresarial no Setor de Saúde Suplementar e Consultorias Acadêmicas em cursos preparatórios para residência médica (Medcel, Medcurso, SJT etc.).

 

 

Fazer inscrição

 

 ciclo debates 6 mail

 

Voltar

Facebook


Twitter

 

Youtube