Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

*Danilo André Fuster

Tal qual Oliveira (2001), Hirschman (1996) e outros, Furtado (1974) também afirma que o desenvolvimento não depende apenas do crescimento econômico, mas também depende fundamentalmente de processos sociais envolvidos. Também segundo Furtado, não é possível estabelecer um modelo “ideal”, único e replicável de desenvolvimento, uma vez que o desenvolvimento econômico, por ele analisado, depende intrinsecamente da dimensão histórica em que se estabelece.


Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

*Danilo André Fuster

Vale salientar que, conforme destaca Hirschman (1996), não existe um modelo de desenvolvimento a ser seguido, muito menos um “melhor jeito” de se fazer. Muito pelo contrário, várias são as formas, e há ampla gama de exemplos em diversos países, ao longo do tempo. E uma mesma forma pode ser bem sucedida ou não, independentemente do sistema político vigente. Entretanto é válido rever exemplos bem sucedidos, bem como a evolução do conceito, para melhor entender o que busca o desenvolvimento local.


Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela inativaEstrela inativa

*Danilo André Fuster

No entanto, o autor defende que enquanto existir capitalismo haverá classes sociais, de modo que as relações de classes terão de passar por processos de acomodação, competição e conflito das classes entre si: “A dependência e o subdesenvolvimento não eliminam este fato” (FERNANDES, 2006: 323). Além disso, segundo o autor, se houve uma alteração do padrão de desenvolvimento capitalista no Brasil, isso significa que ocorreram transformações também na base econômica das classes sociais e nas suas relações, de modo que o conflito de classes continua existindo.


Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

*Danilo André Fuster

Onde não existem os requisitos para o desenvolvimento, o capitalismo monopolista cria seu próprio espaço. Segundo o autor, isto fica bem evidente no Brasil nos Governos de Juscelino Kubitschek e dos militares. Já no espaço entre estes governos a iniciativa privada interna e o Estado conseguem defender-se para enfrentar a transição que seria a conquista econômica externa. Porém, depois da consolidação dos militares houve a consolidação de estruturas e dinâmicas que favoreciam as corporações. 


Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

*Danilo André Fuster

Florestan Fernandes nasce em 1920 em São Paulo. Provindo de família pobre e com vida humilde, com muita luta forma-se, 1943, em Ciências Sociais pela FFLCH-USP. Em 1952, publica “A função social da guerra na sociedade Tupinambá”. Em 1953 recebe o título de professor livre-docente pela FFLCH-USP. Em 1964 lança “A integração do negro na sociedade de classe”. Em 1969 é aposentado de forma compulsória na USP (devido ao regime militar), começando, então, a lecionar na universidade de Toronto, Canadá. Em 1975 publica “A revolução burguesa no Brasil”. Em 1978, torna-se professor titular da PUC-SP. E em 1987 é eleito Deputado Federal por São Paulo pelo PT.


Página 8 de 38

Facebook


Twitter

 

Youtube