Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Assessoria de Imprensa, 11/06/2019

Em São Paulo, a mobilidade urbana é um dos mais importantes temas de debate da contemporaneidade, considerando o impacto causado na ocupação da cidade e nas questões que permeiam o assunto. Com o objetivo de discutir questões como o preço da terra, infraestrutura, padrões de deslocamento e consequências secundárias como a gentrificação e segregação socioespacial, a Escola de Contas foi o local da conferência Economia Urbana e Mobilidade, realizada no dia 10 de junho.

Vladimir Fernandes Maciel, conferencista do evento, é economista pela Universidade de São Paulo, mestre em Economia de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas/SP e doutor em Administração Pública também pela Fundação Getúlio Vargas/SP. É professor universitário e coordenador do Centro Mackenzie de Liberdade Econômica (CMLE). A mediação do evento ficou com Silvio Gabriel Serrano Nunes, bacharel, mestre e doutor em Filosofia pela Universidade de São Paulo.

Inicialmente, trazendo alguns conceitos de economia, o conferencista abordou a renda fundiária agrícola, baseada no modelo do economista alemão Johann Heinrich von Thünen. Trouxe alguns apontamentos sobre custos de transporte, a necessidade do espaço e o preço do solo versus mercado imobiliário. A construção do Parque Minhocão no bairro Santa Cecília e a situação dos moradores de rua na região da cidade de São Francisco (Califórnia/EUA) foram dois tópicos abordados posteriormente com a interação do público.

O modelo de mobilidade europeu (gasolina cara e cidade estruturada a partir do transporte público) e o modelo estadunidense (gasolina barata e cidade estruturada a partir de freeways e subúrbios), segundo Richard Muth (1969), foram analisados ao lado da situação atual do Brasil, considerando a baixa extensão da malha ferroviária do país e como os problemas de mobilidade são estruturais, indo do fomento à indústria automobilística de Getúlio Vargas ao Plano de Avenidas de Prestes Maia.

A segregação socioespacial foi um dos tópicos amplamente abordados na conferência. Um imóvel oferece uma espécie de “cesta de atributos”, considerando características como o entorno, acessibilidade, o próprio imóvel em si, etc. Enquanto loteamentos e condomínios fechados para classes de maior renda ilustram a auto segregação, que contrasta com a segregação induzida, onde classes de menor poder aquisitivo são “empurradas” para áreas que carecem de equipamentos, infraestrutura urbana e qualidade de vida. Essa espécie de “Apartheid” social pode enfraquecer as trocas criativas entre moradores da cidade. Na mesma cidade em que existem pessoas com poder aquisitivo grande o suficiente para se estabelecer nas regiões dos Jardins e Higienópolis, há pessoas em cortiços e favelas espalhadas em regiões mais afastadas do centro expandido paulistano.

A febre dos “rolezinhos” também foi um questionamento abordado, resultado do choque entre classes distintas em um espaço aberto ao público em geral.

Após a conferência, foram abertas perguntas ao público e realizada entrega de certificado ao palestrante.

Vladmir Fernandes Maciel, conferencista do evento
Vladmir Fernandes Maciel, conferencista do evento

Silvio Gabriel Serrano Nunes, organizador e debatedor do evento
Silvio Gabriel Serrano Nunes, organizador e debatedor do evento

Participação do público no evento
Participação do público no evento

Participação do público no evento
Participação do público no evento

Entrega de certificado
Entrega de certificado

 


Adicionar comentário

Código de segurança

Atualizar

Facebook


Twitter

 

Youtube