Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Luis Eduardo Morimatsu Lourenço

De fato, existe toda uma série de pressupostos de ordem filosófica que acabarão por constituir uma teoria do sentido – e, consequentemente, da interpretação – cuja explicitação de fato mereceria uma exposição rigorosamente independente.


Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Luis Eduardo Morimatsu Lourenço

PRESSUPOSTOS TEÓRICO-FILOSÓFICOS DAS DOUTRINAS DA INTERPRETAÇÃO TRADICIONAIS 1ª parte
Propomos, neste momento, um breve – e por isto mesmo problemático - desvio pelas tortuosas sendas da Filosofia, que tem como objetivo precípuo o de destacar que a teoria da interpretação jurídica tradicionalmente concebida se edifica sobre uma série de pressupostos de ordem filosófica que estão longe de serem inquestionáveis.


Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

*Sílvio Luiz Giudice


Para o controle de enchentes existem métodos convencionais, ou seja, os canais, diques/polderes, galerias de águas pluviais e os não convencionais, como pavimentos porosos, detenção em coberturas de telhados planos e lotes e outras técnicas compensatórias em drenagem urbana, ainda incipientes no Brasil, além das bacias de amortecimento de cheias, por meio dos reservatórios de detenção.


Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

*Mariana Uyeda Ogawa

No dia 14 de maio a cidade de São Francisco, na Califórnia, de forma inédita, aprovou uma lei que proíbe o uso de programas de reconhecimento facial pela polícia e agências municipais, exceto nos aeroportos da cidade ou instalações sob regulamentação do governo federal dos Estados Unidos. Oito dos nove membros da Câmara de Supervisores Municipal são contrários a essa tecnologia.


Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

*Eliana Verdade

Em entrevista recentemente editada pela Revista digital FEHOESP 360, Dra. Ana Maria Malik, professora titular da FGV EAESP, com vasta experiência em Saúde Coletiva, manifestou: “Os recursos da Saúde são insuficientes para as necessidades e desperdiça-se em outras coisas. Não estou nem discutindo o que se perde com corrupção ou por sistemas de compras mal feitas. Estou falando em não saber como gasta. Não vou discutir o que se desperdiça em contratações, duplicações, etc. Se olharmos para bons serviços de saúde que existem no Brasil, mesmo em alguns hospitais de pequeno porte e caros, a produtividade ou a efetividade deles é pequena”.

 


Página 2 de 41

Facebook


Twitter

 

Youtube